REDUÇÃO 2 sombra.png
  • Daniela Barros

Saúde Mental e Intervenções Psicológicas diante da pandemia do Novo Coronavírus

Atualizado: Jul 28



Da série (Con) Vivendo em tempos de Coronavírus, convidamos um grupo de professores e profissionais da Univ. Fed. Rio Grande -FURG, Univ. Fed. Santa Catarina - UFSC e Familiare Instituto Sistêmico - SC para abordar o tema da Saúde Mental e Intervenções Psicológicas diante da pandemia de COVID-19. A rápida disseminação do novo coronavírus por todo o mundo, as incertezas sobre como controlar a doença e sobre a seriedade da COVID-19, além da imprevisibilidade acerca do tempo de duração da pandemia e dos seus desdobramentos, caracterizam-se como fatores de risco à saúde mental da população geral. Estudos sobre impactos psicológicos em decorrência da pandemia do novo coronavírus ainda são escassos, por se tratar de fenômeno recente, mas apontam para repercussões negativas importantes, como o aumento nos sintomas de ansiedade, depressão, estresse pós-traumático, confusão e raiva. Afora a população geral, profissionais da saúde também costumam experienciar estressores no contexto de pandemias, como o risco aumentado de ser infectado, adoecer e morrer, a possibilidade de inadvertidamente infectar outras pessoas, sobrecarga e fadiga, exposição a mortes em larga escala e afastamento de familiares e amigos.

Intervenções psicológicas voltadas tanto à população geral quanto aos profissionais da saúde desempenham um papel central para lidar com os impactos na saúde mental em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Em geral, recomenda-se que as intervenções psicológicas face a face sejam restritas ao mínimo possível. Assim, serviços psicológicos realizados por meios de tecnologia da informação e da comunicação, incluindo internet, telefone e carta, têm sido sugeridos.

Para as intervenções junto à população geral, sugere-se que profissionais de saúde mental orientem sobre reações esperadas no contexto de pandemia e sobre estratégias de promoção de bem-estar psicológico (medidas para organização da rotina diária sob condições seguras, cuidado com o sono, prática de atividades físicas e técnicas de relaxamento). A manutenção das conexões com a rede de apoio social e o cuidado com a exposição em excesso a informações, também são temas importantes de serem trabalhados. Intervenções direcionadas aos profissionais da saúde podem abordar a orientação sobre sintomas psicológicos que esses profissionais podem apresentar nesse contexto (estresse, depressão, ansiedade e insônia), estratégias de enfrentamento e autocuidado (gerenciamento de estresse e importância dos momentos de descanso) e fortalecimento da rede de apoio (manutenção de contato frequente, por meio de telefonemas, mensagens de texto, áudio e vídeo, durante os intervalos no trabalho).

Diversas são as possibilidades e desafios a serem enfrentados durante a pandemia da COVID-19. Estas e outras questões foram discutidas em profundidade no texto completo do artigo recentemente publicado, que pode ser acessado na íntegra em: https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.58


[f] Facebook



#danielabarros #neurociencia #psicologia #cérebro

© 2018 desenvolvido por Carpes